quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Pobres perdem menos tempo no trajeto para o trabalho


Instituto divulgou nesta terça estudos sobre mobilidade urbana, desigualdade regional e massa salarial no Brasil

Foto: João Viana
101214_comuimg02_717273
Miguel Matteo, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea, apresentou o Comunicado sobre desigualdade regional
Ipea lançou nesta terça-feira (14), em seu auditório em Brasília, os Comunicados nº 71, 72 e 73, respectivamente sobre desigualdade regional, massa salarial e mobilidade urbana. Participaram da mesa o moderador e técnico de planejamento e pesquisa do Ipea, Bolívar Pêgo Filho, e os técnicos de planejamento e pesquisa Miguel Matteo, Waldery Rodrigues Júnior e Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho, que conduziram as análises dos comunicados.
“Pessoas pobres gastam menos tempo de casa para o trabalho que pessoas ricas, pois o raio de ação é limitado. Quanto mais renda, mais aumenta o tempo”, disse o técnico de planejamento e pesquisa Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho na apresentação do Comunicado nº 73 - Mobilidade urbana e posse de veículos: análise da PNAD 2009. Ele acrescentou, porém, que a parcela da população incluída nos 10% de maior renda também perde menos tempo nos deslocamentos casa-trabalho (35 minutos em média).
No estudo, 47% da população possuem algum meio de transporte individual. Para o técnico Carlos Henrique, o número de veículos nas ruas irá aumentar, e para tanto serão necessárias políticas públicas compatíveis. O estudo também revela o tempo gasto pela população no caminho casa-trabalho independentemente da modalidade de transporte, como esse tempo varia de acordo com o nível social, além de dados sobre mobilidade pública nas áreas rural e urbana.
Comunicado nº 71, intitulado As análises de desigualdade regional recente: uma nota a partir de dados estaduaismostra as tendências gerais brasileiras na análise das contas regionais do IBGE entre 1995 a 2008, com base no índice de Theil e na comparação internacional. Segundo o estudo, as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste obtiveram menos 10% a menos 30% de nível de desigualdade em relação às taxas de crescimento do PIB per capita nacional por unidade federativa. Já as regiões Norte e Nordeste chegam a números positivos de 70% de desigualdade. “É importante destacar que a região Centro-Oeste só mantém os quase menos 30% do nível de desigualdade com a agregação do Distrito Federal. Sem o DF, a região muda de quadro”, ressalta o técnico de planejamento e pesquisa do Ipea Miguel Matteo.
Comunicado nº 72, sobre a Análise regionalizada da massa salarial com uso da PME-IBGE, destacou os estados com maior e menor representatividade salarial do mês de setembro de 2010. São Paulo tem a maior representação, e Recife a menor. O estudo busca metas socioeconômicas sobre o mercado de trabalho nacional, além de informações sociodemográficas, classificando segundo variáveis de gênero, raça, educação, saúde, serviços sociais, administração pública, defesa e seguridade social. O técnico de planejamento e pesquisa do Ipea Waldery Rodrigues Junior disse que a PME é um ponto de referência. “O que fizemos foi dar destaque ao mercado de trabalho. Um corte analisado em oito eixos e classificações.”

Um comentário:

Ítalo de Paula disse...

Parabéns pelo artigo. Foi de grande utilidade.

abraços.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...